Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2010

Portal 3P V1

ABERTURA
19 abril, 2010 - 19h00
VISITAÇÃO
20 de abril a 27 de junho de 2010
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Daniela Castro (1976, SP) é graduada em História da Arte e Estudos da Cultura Visual pela Universidade de Toronto (Canadá), com bolsas de estudos em cultura e arquitetura na Universidade de Hong Kong (China), e residências de curadoria pela Art Gallery of York University (Canadá) e pelo Peggy Guggenheim Collection Museum em Veneza (Itália). É responsável pela concepção e curadoria do evento, já em sua terceira edição, Territórios Recombinantes, junto ao Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, que já itinerou por sete capitais do Brasil. Também foi curadora de Lights Out, exposição de reinauguração do Museu da Imagem e do Som (MIS-SP); da exposição Translations/Traduções em Toronto; e do Projeto Estúdio, na Galeria Baró Cruz, em São Paulo. Publicou diversos textos em catálogos e revistas especializados nacionais e internacionais, incluindo o periódico da 28º Bienal de São Paulo, Arte al Dia (Venezuela, México e Estados Unidos), LOOP (Barcelona), CADERNO VIDEOBRASIL (São Paulo) e Centro de Bibliografia e Documentação do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MACBA).

Teu amor eu guardo aqui

Daniela Castro
(recomenda-se em tela cheia, volume alto, desprendimento e tempo disponível para associações possíveis e impossíveis)

Assim
Você foi um dia
O que nunca seria
Se não fosse a minha

Acredito no bonito
No lado fantástico
Por mais que esquisito
Seja
Pense Nisso

Na minha mania de acreditar
No puro prazer
Na diferença do ser/estar

Trecho de “ASSIM”
Letra: Rick Castro
Música: Rita Figueiredo


“Teu amor eu guardo aqui”.

Morri, baby, que é ser-vivo de Outra forma, sem crer, a crer, acrer, acrer e ditar (“coitados dos que crêem; vai ver que jazem crendo”). Acreditei. Transmutei. Transcrimupassei, assim que comecei esse escrito. Te vejo do cosmo cor de burro-quando-foge, que é aquele dos recém-mortos (“quero já meu amor perto de mim, apertando-me a mão, palma-a-palma, oh, porque está tão longe, não veio”). É lindo. Daí, vemos a cor como reflexo que aparenta uma conformação improvisada em acorde com o ritmo do que se acha que são todas as coisas; daqui, vemos como luz que causa alteridade de ser o néon do Outro: a cor burro-quando-foge como um cobre brilhante, triplicado (3) PV, sem 1 código de felicidade programada.

Só de liberdade. Da participação ativa voluntária quando colocada diante de, em torno de, ou rodeada por sistemas estáticos ou de movimentos voláteis, sendo que sua atuação modifica ou encerra mudanças de participações segundo sua vontade, e não segundo uma crença. Transcendendo-as. Como o cosmo lilás cintilante, daqueles que já não precisam crer há muito tempo, daqueles que nem sabem mais, mas daqueles que são (tal como o amor, que não tem que ser nada. Ele já é). O Willys, a Lygia, que são do cosmo de luz lilás cintilante. O primeiro diz que o objeto não é objeto, é habitáculo. Já a Lygia diz que o objeto não é objeto, tem que ser experiência vivida. Que, no final, são as mesmas tropicações.

Sim, porque a história humana (dos que crêem) é a superfície fervente da panela da biologia ordinária; somos (fui) carnes que caíram num tipo de rede atrativa pelo devir da História, que nos esculpe (vos esculpem) a partir da cultura, da consciência, das psicodelias, das tecnologias. Mas as mesmas pessoas que administram essa estória toda sabem que essa mesma História (dos programas de linguagens formando capacidades felizes sem perceber a diferença entre ser e estar: os banqueiros, alguns escritores, alguns artistas, os publicitários, os jornalistas) está chegando ao fim.

São as luzes dos seus cacos, amor, que te fazem todo, que eu trago comigo para me refazerem de novo. Aqui. Transparente e luz (“Algo é previsto pelo artista, mas as significações emprestadas são possibilidades, suscitadas pela obra, não previstas. Incluindo a não-participação nas suas inúmeras possibilidades também”). Em todo caso, é como se habitássemos esse limite impossível (ser/estar; viver/morrer) e a reversibilidade enigmática (cor/cor) dessa gosma energética toda. Nada é possível, tudo é possível, e continuamos à cata dos sinais, dos signos, dos comutadores.

O teu amor eu guardo aqui mesmo.

Nota: referências de outros mortos (dos cosmos lilás cintilante e cor de burro-quando-foge-cobre-brilhante) utilizadas aqui:

- Helio Oiticica, “Crelazer”, Revista Galeria de Arte moderna, 1967

- Helio Oiticica, “Parangolés”, Revista Galeria de Arte moderna, 1968

- Willys de Castro, “[Associações de Artes Visuais Novas Tendências]”, original datilografado sobre a Associação de Artes Visuais Novas Tendências. In Roberto Conduru, willys de castro (SP: Cosac Naify, 2005), pág 156

- Suely Rolnik, A Geopolítica da Cafetinagem (2006).

- Erasmo Carlos em entrevista com Bia Corrêa do Lago. Programa “Umas Palavras”, TV Futura, veiculado em 01/03/2010 (porque os mortos só assistem TV aberta).

- Peter Pal Pelbart, “Suwa – Mais”. Palestra ministrada em 05/03/2010, Caixa Cultural, Rio de Janeiro.


REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms