Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2006

Tempo = ação/espaço

ABERTURA
21 novembro, 2006 - 20h00
VISITAÇÃO
21 de novembro a 17 de dezembro de 2006
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Cauê Alves (São Paulo, Brasil, 1977) é professor do curso Arte: história, crítica e curadoria, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É curador do Clube de Gravura do Museu de Arte Moderna de São Paulo e realizou, entre outras curadorias, MAM[na]OCA: arte brasileira do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo (2006), a mostra Quase líquido, Itaú Cultural (2008) e Da Estrutura ao Tempo: Hélio Oiticica, no Instituto de Arte Contemporânea (2009). Atualmente está preparando uma exposição monográfica sobre Mira Schendel (2010) e será curador do Panorama da Arte Brasileira do MAM (2011) e curador adjunto da 8ª Bienal do Mercosul (2011).
André Komatsu se interessa pelo processo de mudança dos objetos e do espaço. Na abertura da Temporada de Projetos, o artista ateou fogo em uma casa de madeira construída ao ar livre em frente ao Paço das Artes. As cinzas que restaram do processo foram recolhidas e dispostas, dentro de uma caixa, no interior da instituição. O artista participou das exposições After utopia, no Museo Centro Pecci, na Itália, da 7ª Bienal do Mercosul, em 2009, e de Pra começo de século, no Centro Dragão do Mar de Arte Contemporânea, em Fortaleza, em 2010. 
IMAGEM
O projeto de André Komatsu é menos uma obra acabada do que um processo que se desenvolve no tempo. Ele não chega a se construir como uma narrativa, já que não há personagens ou acontecimento que se encadeiam em série. Trata-se apenas de dois momentos: o primeiro, o incêndio da estrutura de uma pequena casa construída ao ar livre, e o segundo, o recolhimento das cinzas e a transferência delas para uma caixa entro do espaço expositivo.

O trabalho não forma um sistema fechado em que a mudança de um estado a outro tende sempre à desordem, embora parte da casa incendiada se dissipe em calor e fumaça. A perda de energia, a destruição da estrutura arquitetônica e sua tendência ao esfacelamento são relevantes nesse processo. No entanto, em vez da valorização do declínio ou da aniquilação, interessa ao artista o processo de mudança contínua tanto dos objetos como do espaço. Além de ocupar livremente o exterior do prédio. E depois de transportadas para dentro do Paço das Artes, qualquer deslocamento de ar tende a fazer com que as cinzas continuem a se dispersar.

As premissas especiais do trabalho de Komatsu se distanciam de uma compreesão apenas quantitativa do espaço, como se ele fosse constante, fixo e completamente mensurável por alguma unidade de medida. Ao contrário, sua noção parte de um espaço que em nada se opõe ao tempo. Trata-se justamente de um espaço móvel, qualitativo e dque tende a ser percebido em seu devir. As arquiteturas projetadas pelo artista são sempre inabitáveis ou inacessíveis – não são espaços confortáveis, concebidos segundo proporções ideais a partir da escala do corpo - são lugares apertados, áridos e que, antes de buscarem uma relação harmoniosa com o espectador ou proporem uma participação, são agressivos e avessos ao contato direto.

Em um dos seus vídeos, em que o artista recolhe ruínas e fragmentos de construções pelas ruas da cidade e tenta agregá-los ao seu corpo em mochilas ou bolsos, fica evidente a inadequação entre corpo humano e a matéria bruta da construção civil. Mesmo que em alguns trabalhos ele tente atribuir nova função ao entulho, é clara a oposição entre esses dejetos, os espaços arquitetônicos dos quais eles resultam e sua relação com o corpo.

A inadequação de certas construções em relação ao corpo havia sido formulada pelo artista em uma espécie de guarita inóspita, uma arquitetura de guerra e de controle que Komatsu projetou para sua individual no Programa de Exposições do Centro Cultural São Paulo. Fechado em si mesmo e inacessível, tratava-se de um espaço ameaçador que se camuflava com o branco dos painéis destinados a organizar a mostra.

Entretanto, enquanto nessa experiência a assepsia era uma estratégia de disfarce, aqui, em Tempo= ação/espaço, ela pode ser compreendida de modo inverso. A combustão da madeira não deixa de ser uma maneira de higienização, mas a transposição dos resíduos resultantes desse processo para o espaço expositivo inverte esse processo. O trabalho funciona como um agente contaminador que leva a sujeira do mundo da vida para dentro do asséptico e “neutro” espaço expositivo.

Trabalhando com as relações entre a ação no espaço e sua correspondência com o tempo, Komatsu parece compreender o par construção e desconstrução como inseparável. Antes de criar espaços congelados e determinados por relações fixas, ele lida com o processo de transformação da ruína em edificações e a inevitável ação do tempo que tende a corrompê-las e degenerá-las.
REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms