Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2002

Frederico Dalton

ABERTURA
08 agosto, 2002 - 20h00
VISITAÇÃO
08 de agosto a 08 de setembro de 2002
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Daniela Maura Ribeiro é doutoranda em história social pela FFLCH-USP e mestre em artes pela ECA-USP. Colabora com textos críticos em catálogos de exposições.
Daniela Maura Ribeiro
Rio de Janeiro.
Alguém observa ... E quem observa?
Frederico Dalton.

Ao percorrer a praia do Flamengo, o artista fotografa os banhistas, acrobatas de areia e vendedores. E seu olhar capta não somente o modus vivendi daqueles que são fotografados – representantes das minorias sociais - quando registra tais imagens cotidianas...

Um banhista se lava em uma bica e o outro, ao seu lado, observa. Logo atrás, um rapaz dá um salto mortal enquanto numa carrocinha vende-se algo. O foco está nos banhistas da bica cujo verso é um muro negro. Um vácuo colocado pelo artista? Uma brecha-convite à contemplação?

Banhar-se na bica é um hábito comum aos frequentadores da praia do Flamengo, que talvez não tenham fonte melhor para limpar o corpo. Seria então a bica, fonte de um recurso? Ou de esperança? De purificação, desejo, vida ou alimento? Esse questionamento ao redor da ideia de fonte – simbolizada pela bica – é o cerne da instalação com projeção A Fonte. O slide é projetado no fundo da sala e um friso na parede emoldura a imagem. Como não há noite/cessa toda fonte;/como não há fonte/cessa toda fuga (1). Estaríamos diante de qual fonte?

Segundo Alfredo Bosi, o ato de olhar significa um dirigir a mente para um “ato de in-tencionalidade”. E como adivinhar a intenção do artista? Quando Frederico Dalton fotografa, separadamente, dois banhistas com características distintas e os apresenta frente a frente nas paredes da sala expositiva, o que de fato nos é dado a ver?

nada é miragem
na tela rútila das pálpebras (2)

A projeção de slides giratória O Olhar sugere um enfrentamento entre os dois banhistas. As imagens circulam pela parede mantendo sempre seu eixo frontal, como se o olhar dos oponentes fosse o convite ao desafio. E à medida que circulam, sofrem distorções que ocasionam que a forma e o tamanho das imagens sejam sempre diferentes. No eixo do olhar daqueles que ora se enfrentam - e que outrora miravam a câmera - está o espectador. A conjugação oponente-espectador-oponente cria um espaço de simulação onde o espectador representa o mediador de uma luta entre desiguais: com a variação da imagem perde-se o referencial quanto ao real porte do oponente. O que legitima a existência dessa luta?

Poesia é voar fora da asa (3).

Notas:

(1) MELO NETO, João Cabral de. Psicologia da composição In MORICONI, Ítalo (org.). Os cem melhores poemas do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

(2) BAPTISTA, Josely Vianna. Os póros flóridos. In ASCHER, Nelson, BONVICINO, Régis, PALMER, Michael. Nothing the sun could not explain: 20 contemporary Brazilian poets. Los Angeles: Sun & Moon Classics, 1997.

(3) BARROS, Manoel de. Uma didática da invenção In MORICONI, Ítalo (org.). Os cem melhores poemas do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms