Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2001

Retratos falados

ABERTURA
16 abril, 2001 - 20h00
VISITAÇÃO
17 de abril a 13 de maio de 2001
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Marcelo Monzani é chefe da divisão técnica do Museu Lasar Segall. Foi coordenador do programa Rumos Artes Visuais 2005/2006 e gerente de artes visuais do Instituto Itaú Cultural.
Marcelo Monzani
A instalação Retratos Falados é constituída de uma série de desenhos originários do trabalho que José Vilmar vem realizando, há mais de dez anos, nas delegacias de polícia da região mineira de Patos de Minas, como desenhista criminal. É nesse ambiente que as vítimas relatam os dados necessários para a confecção dos retratos de seus agressores anônimos. José Vilmar guarda em sua memória os rostos, as expressões, os gestos, os sentimentos e as emoções que afloram dos depoimentos para, em seguida, realizar uma dupla tarefa: recodificar os dados obtidos, fazendo quase uma análise psicológica dos estados emocionais das vítimas, e elaborar, criticamente, suas impressões dos fatos ocorridos.

O jornal é o suporte escolhido para a execução de sua obra, coincidentemente ou não; é nele que notícias de todas as naturezas, sociais, políticas, econômicas, culturais e policiais, são veiculadas e nos dá diariamente uma sinopse do que acontece na sociedade. Há portanto, uma conjugação entre os meios: o artista escolhe aleatoriamente páginas de jornais e realiza sua intervenção, aplicando uma camada de tinta, deixando transparecer, na velatura, parte das letras e imagens que compõem as notícias, e realiza o desenho. Colados diretamente nas paredes, após o término da exposição, são arrancados um a um; alguns são danificados, e o artista pacientemente refaz o novo retrato. Preocupação com a conservação da obra? Não, tudo se renova, retratado e artista nunca mais serão os mesmos, haverá sempre um novo rosto a ser observado, um incidente e uma nova notícia, repetindo-se ciclicamente.

Diferentemente do retrato do criminoso, no qual a figura representada procura ser realista, em sua obra José Vilmar busca um contraponto, a figura impregna-se das referências subjetivas e abstratizantes decorrentes da efemeridade dos atos e reações. Com traços rígidos, brutos, quase ingênuos, compõe um grande mosaico de figuras humanas, formas, gestos e olhares, que, agrupados entre paredes, vítimas e criminosos, se confundem e passam a fazer parte de uma mesma história.
REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms