Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

Temporada de
Projetos

Temporada 2001

Domitilia Coelho

ABERTURA
16 abril, 2001 - 20h00
VISITAÇÃO
17 de abril a 13 de maio de 2001
ACOMPANHAMENTO CRÍTICO
Daniela Maura Ribeiro é doutoranda em história social pela FFLCH-USP e mestre em artes pela ECA-USP. Colabora com textos críticos em catálogos de exposições.
Daniela Maura Ribeiro
“(...) As ruas da pequena São Paulo de 1900 enchiam-se de fios e de postes” (1). Trinta anos depois a cidadezinha transformava-se em metrópole. Hoje, megacidade, é palco do trabalho da fotógrafa Domitilia Coelho.

As luzes da cidade à noite fascinam Domitilia, que sai acompanhada de sua máquina fotográfica para registrá-las. Especialmente as que iluminam vitrines são o foco das suas lentes. Domitilia percorre ruas em seu veículo buscando as vitrines que serão fotografadas; estaciona para retratá-las mantendo-se dentro do automóvel, preservando assim o distanciamento daquele que está de passagem. Seu interesse reside no elemento luz que é utilizado para iluminar algo que se quer vender. E o que se quer vender? Tudo é vendável, do supérfluo ao necessário. A fotógrafa recorta desse universo os modelos de decorações de interiores expostos nas vitrines da via pública. Sua escolha nasce da necessidade de abordar questões como a padronização do gosto por meio de modelos que ditem comportamento: em que ambiente, com que determinado tipo de móveis e logística, é recomendável viver-se e quão fácil é fazê-lo...

Em se tratando de ambientes para o convívio da vida íntima, cabe citar em paralelo as imagens de residências de famosos veiculadas por revistas, especializadas em demonstrar o padrão social das elites, onde cria-se um ar de aconchego e prosperidade dado pela presença de seus habitantes nos espaços mostrados. Domitilia obtém o resultado inverso: suas imagens são tão frias e vazias quanto os apartamentos e casas pré-decorados, fabricados especialmente para o consumo.

Considerando que vitrine e luz são elementos indissociáveis, caixa de luz e imagem fotográfica também o são: é nas caixas de luz, ou backlights, que Domitilia proporciona ao espectador ver a imagem através do acrílico, numa circunstância similar a de ver vitrines através do vidro. A luz que atravessa a imagem e vaza ao seu redor deixa aparente o processo criativo da artista.

O trabalho de Domitilia abre um leque de possibilidades de discussão em torno da vida cotidiana do cidadão contemporâneo: para onde se dirige, o que faz imerso no vaivém do fluxo urbano, o que o atrai, que luzes o seduzem, quais são seus valores. “(...) ganha toda ênfase a importância da pergunta que o observador dirige à imagem em função de sua própria circunstância e interesse” (2) e o interesse da Domitilia espectadora começa nas luzes da cidade.

“E deixa só uma luz e outra luz e mais outra/ Na distância imprecisa e vagamente perturbadora/ Na distância subitamente impossível de percorrer” (3).

Notas:

(1) ANDRADE, Oswald de. Um homem sem profissão. São Paulo: Globo, Coleção Obras Completas de Oswald de Andrade, 1990. 

(2) XAVIER, Ismail. Cinema: Revelação e Engano. In: NOVAES, Adauto (org.). O Olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

(3) GALHOZ, Maria Aliete (org.). Fernando Pessoa: Obra poética. Rio de Janeiro: Aguilar, 1965.
REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms