Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

menos vinte e um

menos vinte e um

ABERTURA
07 dezembro, 2008 - 19h00
VISITAÇÃO
8 de dezembro de 2008 a 4 de janeiro de 2009.
CURADORIA
Apresentação de Trabalhos de Conclusão de Curso
ARTISTAS PARTICIPANTES
Formandos ECA 2008

O ser para a Vida

Professora Drª Branca de Oliveira
A sentença de morte é uma declaração da impossibilidade de resgatar o crime com qualquer outro bem, que não a própria vida. O que de hediondo fez, portanto, a arte?

Demonstrou que o tempo não é uma grandeza física, mas uma qualidade da cultura; que ele não reúne em unidades, mas desdobra em multiplicidades – que nada se perde. Que aquilo que chamamos de existente é, desse modo, um agenciamento, ato humano, que se costura e se esgarça. E também que o “modelo” já não goza de primazia para a expressão do pensamento.

Que sentido tem a proposição hegemônica do fim de tudo? Parece antes tratar-se de uma falta de sentido ou de objetivo, como se os problemas aos quais correspondem os fundamentos da vida, por um milagre divino, tivessem deixado de existir ou de se atualizar. Tudo, então, já foi pensado, já foi feito, já foi sentido. Uma espécie de processo de banalização parece assaltar a existência. A natureza afirmativa de seu devir continuo é trocada pelo caráter negativo da obsolescência oclusiva, manifesto em máximos produzidos por julgamentos inconsistentes, que nada economizam na falta de alguma idéia realmente original. O intolerável é, pois, o estado constante de uma banalidade cotidiana.

Para além dos ufanistas de qualquer  época e contexto, que se regozijam e afirmam ao declarar sentenças de morte em tons proféticos, condenando à superação ou substituição, planos inesgotáveis do pensamento, estão aqueles que resistem às palavras de ordem.

Menos vinte um é a exposição de  graduandos de 2008, do Departamento de Artes Plásticas, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. É um ato de resistência de jovens artistas e novos professores de artes, que se arriscam traçando planos no caos, atravessando descosturados, experimentando linhas de fuga. Sonham com paisagens impossíveis, fabricando zonas de indeterminação. Fazem a visão existir pelo pensamento e o pensamento pelos seres de sensação. São menos vinte e um alunos presos na caverna escura e mais vinte e um iluminados videntes soltos na vida, lutando contra aquilo que a ameaça.

Menos vinte um é a expressão de um desejo pleno, a que nada falta, de uma potencia de invenção, tanto quanto a afirmação de uma atividade criadora. Aí está manifesta uma força positiva que reage à fixidez da palavra de ordem e se opõe aos comandos da comunicação de massa da cultura estandardizada. Na via contraria das mortes anunciadas em grande estilo, expõe com naturalidade, em um variado conjunto de suportes, o ânimo amplificado do processo criador. Resiste a insistência de se reduzir a arte a satisfação de um mercado voraz.

Ao final desta etapa de trabalho individual e coletivo, cujas alegrias e dores constituíram estas obras expostas, os estudantes-artistas estarão irremediavelmente sós, mas numa solidão povoada, cuja luz persistente crescera como um sol que ilumina, tornando o caminho mais alegre e o corpo mais eficiente. Sem perder a gravidade, a cada sangramento, a carne pesara menos.

A arte não só não morreu, como se apresenta com redrobado vigor.
REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms