Busca
Procure por artistas,
obras ou exposições
Paço das Artes
Av. Europa 158
Jardim Europa
CEP 01449-000
São Paulo/SP, Brasil
T 11 2117 4777 r. 413/414

I/legitimo

I/legitimo

ABERTURA
17 outubro, 2008 - 19h00
VISITAÇÃO
18 de outubro de 2008 a 4 de janeiro de 2009
CURADORIA
Priscila Arantes e Fernando Oliva
ARTISTAS PARTICIPANTES
AVAF, Carlos Contente, Carlos Dias, Dan Perjovschi, Daniel Lima , Daniel Melim, Daniel Umpiérrez, El Perro, Gabriel Acevedo Velarde, Paulo José Nimer Abileu, Rodolpho Parigi, Tinho, Znort

AVAF

Brasil
São Paulo
AVAF é um projecto estético que combina a psicodelia com o glam, o pop e o kitsch. Este colectivo brasileiro toma o seu nome do conjunto indie do final dos anos 80 Ultra Vivid Scene e do LP Assume Power Focus do grupo industrial Throbbing Gristle. Este grupo é uma amostra clara da mestiçagem que caracteriza a arte brasileira, na qual se combinam influências diferentes e estéticas antagónicas, em conjunto com visões diversas do mundo actual. As suas obras, tanto performances como instalações, collages e murais, foram expostas em centros de arte de prestígio internacional como o Whitney Museum of American Art ou a sede da Tate Gallery em Liverpool. As suas obras também fazem parte de importantes coleções como a do MoMA de Nova Iorque ou a Judith Rothschild Foundation Contemporary Drawing Collection.

Carlos Dias

Porto Alegre/Brasil, 1973
Vive e trabalha em São Paulo

Carlos é um artista que transita por diversas mídias, criando hibridações e experiências, às vezes surpreendentes, como o karaokê-vídeo-arte, peça que instiga o público a participar cantando ou a “Troca de desenhos”, arte-situação em que o público troca de fato desenhos com o artista dentro de uma sala-instalação. Usando linguagens comuns e novas, misturando música, performance, artes gráficas, animação, vídeo arte, instalação, site specific, fotografia, muralismo entre outras, o artista procura uma aproximação efetiva com seu público.

“Minha produção envolve múltiplas linguagens, que se conversam e se misturam em cada uma das minhas obras. Gosto de usar meios populares e até massificados, como videoclipes, shows de música ou fotografias digitais na internet, mas uso também meios tradicionais, como a pintura, a colagem e a instalação de cunho conceitual. Essa é uma característica presente no meu corpo de trabalho, o híbrido e experimental que resulta da mistura entre o analógico e o digital - isso me fascina”, explica o artista.

“A primeira coisa que noto quando as pessoas veem as minhas obras é que elas tomam um choque. Não sei como entendem, mas sinto que minhas pinturas e instalações mexem com alguma coisa dentro delas; acredito que provoca uma espécie de ‘ilusão caótica’, mas que no fundo a pessoa se identifica e vê uma lógica. Embora tenha todo esse lance de ser caótico e barulhento, aquela é a forma subjetiva e sutil como me comunico.”

Um Paço aoseualcance celebra um momento importante para a carreira e reconhecimento de Carlos Dias dentro do mundo da arte contemporânea. “Mesmo já tendo exposto em outros museus, como no Masp, agora é a hora que vou mostrar a minha cara, só o meu trabalho, mostrar o que eu fico pintando de madrugada. Embora eu encare esse momento com certa frieza, sei que quando as obras estiverem expostas, elas não irão mais me pertencer, e isso dá um pouquinho de frio na barriga. Sempre dá, né?”, finaliza.

Daniel Lima

Natal/RN, 1973
Vive e trabalha em São Paulo/SP
Daniel Lima nasceu em Natal, em 1973. É artista multimídia que explora o desenho e o espaço no ambiente urbano. Próximo da elaboração gráfica e seqüencial, Daniel Lima, cria novos trabalhos a partir do registro de suas ações. Em seus áudios-visuais, imagens se somam a música e narração formando um “cinema ao vivo”, numa celebração apoteótica dos elementos da cultura urbana.

Numa trajetória de intervenções e interferências na metrópole São Paulo, ele se arma de recursos plásticos – resgatados de seus sete anos de estudos em Artes Plásticas e Cinema – para criar situações inesperadas e potencialmente desestruturadoras do cotidiano urbano.

Daniel Umpiérrez

Tacuarembó, 1974
Vive e trabalha em Montevidéo
Dani Umpi nasceu em Tacuarembó, em 1974. Reside em Montevideo desde 1993, atuando em diferentes campos de produção simbólica no Uruguai no exterior. Tem feito uma vasta produção literária (publicando varias poesias na Argentina, onde também editaram suas novelas "Aún soltera", "Miss Tacuarembó" e "Sólo te quiero como amigo") e como artista visual tem participado em ações e exposições, individual e coletivamente, em Nova York, Paris, Madrid, Buenos Aires, Lima e Montevideo, obtendo vários prêmios a nível nacional.

Gabriel Acevedo Velarde

Mexico, 1976
Vive e trabalha no México
Gabriel Acevedo Velarde nasceu em 1976. Vive e trabalha no Mexico, em São Paolo. Estudou fotografia e letras em Lima e artes plásticas no Peru e no México. Já expôs vídeos, animações, desenhos e pinturas em Madri, São Paulo, Milão e Genebra. Foi premiado na Bienal de Curtas-Metragens 2005, na Cidade do México, onde vive e trabalha.

Rodolpho Parigi

São Paulo
Vive e trabalha em São Paulo
Rodolpho Parigi é bacharelado em Artes Plásticas na Fundação Armando Alvares Penteado FAAP. Participou de várias exposições como, Em 2007 Ocupações, Projeto Pátio, Galeria Nara Roesler, São Paulo, SP, Brasil, 38 Art Chapel, Olho Sobre Tela, Mapa das Artes, Casa da Xiclet, São Paulo, SP, Brasil curadoria Catia Kanton, São Paulo, SP, Brasil, entre outras.

Znort

São Paulo/ Brasil, 1985
Vive e trabalha em São Paulo
Znort nasceu em São Paulo, em 1985. Bacharel em Artes Visuais pela Belas Artes de São Paulo. Suas especialidades são escultura, desenho, instalação, arte urbana e gravura em metal. Znort constrói seu universo com um pé na delicadeza e outro no bizarro.

Carlos Contente

Rio de Janeiro, 1977
Vive e trabalha no Rio de Janeiro.
Carlos Contente nasceu no Rio de Janeiro, em 1977. Graduou-se em pintura pela Escola de Belas Artes, UFRJ, 2006. Arte-educador, Contente adotou o grafite em 2002. Desde então tem trabalhado com a repetição seqüencial de uma única imagem pela cidade, a de seu autoretrato simplificado, utilizando como matriz um carimbo e um stencil.

Para Contente a proliferação de sua imagem passa a ser um processo de construção de um canal de comunicação com sua comunidade , entendendo-se esta como o conjunto de pessoas com quem estabelece relações de troca simbólica na sua trajetória cotidiana."

Dan Perjovschi

Sibiu/ Romêmia, 1961
Vive e trabalha em Bucareste.
Dan Perjovschi nasceu em Sibiu, Romênia, em 1961. Mistura desenho, quadrinhos e grafite em desenhos feitos diretamente nas paredes. Seus desenhos comentam a situação política, social e cultural atual.

Tem um papel ativo no desenvolvimento da sociedade civil na Romênia através de sua atividade editorial na Revista 22 , e tem estimulado Intercâmbios entre os romenos e a cena artística contemporânea. Seus trabalhos são, normalmente, efêmeros e de grandes dimensões.

Daniel Melim

São Bernardo/ Brasil, 1979
Vive e trabalha em São Paulo

Daniel Melim nasceu em São Bernardo, em 1979. Criou-se nos subúrbios de São Paulo e é um dos expoentes da chamada “stencil art”, no Brasil. Melim fez faculdade de arte em Santo André, mas aprendeu a pintar nas ruas, enquanto se divertia com suas máscaras vazadas e latas de spray. Com alguns anos de “brincadeira”, Melim encontrou uma linguagem pessoal, forte e expressiva, digna de ser observada, como uma boa obra de arte.

Melim pinta com rolinho e látex, tanto na rua quanto nas telas que produz. Ele parte de composições geométricas sobre as quais imprime seus desenhos recortados em máscaras de estêncil. A escolha dos ícones é despretensiosa, eles não tem grandes simbologias, podem ser números e letras aleatórias, figuras retiradas de um compêndio de imagens genéricas. É no momento da aplicação do estêncil que aparece a mão do artista. Aí, Melim deixa as boas maneiras de lado e borra, tira de registro, excede no erro, dando às figuras um tratamento quase gestual.

El Perro

Espanha
Espanha
El Perro (em espanhol, o cachorro) é um coletivo formado pelos artistas Ramón Mateos (1968), Iván Lópes (1970) e Pablo España (1970). Eles tem trabalhado em alguns projetos como curadores e participado de exposições internacionais e intervenções em espaços públicos, Galería Salvador Díaz apresentaram, com grande sucesso, de sua primeira exposição individual em setembro de 2003.

Paulo José Nimer Abileu

São Paulo, 1988
Vive e trabalha de São Paulo
Paulo José Nimer Abileu, nasceu em São Paulo, 1988. Bacharel em Artes Visuais pela Belas Artes, São Paulo. Especialidades: desenho sobre tela, instalação e intervenções urbanas. Influências: Klimt, Schiele, Kokoshka, graffiti, ilustração. Últimas exposições: Memorial da América Latina (São Paulo, 2005), Galeria Choque Cultural (2006) Seu trabalho: é delicado e agressivo ao mesmo tempo. A sua temática é uma mistura de imaginários macabro, erótico e folk. Seu traço é sinuoso e se esparrama pelas texturas elaboradas das suas telas criando uma atmosfera sempre muito densa e sedutora.

Tinho

São Paulo
Vive e trabalha em São Paulo
Tinho é formado em Artes Plásticas pela FAAP, este artista contribuiu para o reconhecimento do grafite como Arte no Brasil e para o reconhecimento do Brasil pelo Mundo como um dos principais paises na produção de Grafite e Arte Urbana. Esse reconhecimento cooperou para que ele realizasse um grande mural na cidade de Berlim, durante os preparativos para a Copa do Mundo de 2006, alem de uma serie de exposições agendadas ao redor do mundo.

REALIZAÇÃO

Realização
Fale Conosco | Mapa do Site | Ouvidoria | Transparência | Trabalhe Conosco Design ps.2 | Tecnologia ps.2wcms